Brasil deve registrar crescimento moderado

Fale com um especialista agora gratuitamente!
Nesse artigo você vai ver:

Matéria publicada no Jornal Santuário – 25/02/2013

ECONOMIA | POLÍTICA DE CORTES DO GOVERNO NÃO FOI SUFICIENTE PARA RETOMAR MÉDIA ANTERIOR

Toffanin aponta que mercado iniciou ano com expectativa de 3,5% de crescimento para o país e taxa foi reajustada para 3,1%

Toffanin aponta que mercado iniciou ano com expectativa de 3,5% de crescimento para o país e taxa foi reajustada para 3,1%

Deniele Simões

deniele.jornal@editorasantuario.com.br

Analistas e investidores do mercado financeiro estimaram o crescimento da economia brasileira em menos de 1% no ano que se encerrou.

Os dados constam do boletim Focus, do Banco Central do Brasil, e apontam também que em 2013 a previsão é um pouco melhor, mas o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) não deverá ultrapassar o índice de 3,1%.

Apesar disso, é preciso ter muita cautela, já que, no final de 2011, as previsões eram otimistas e projetava-se crescimento entre 3,5% e 4% para o PIB de 2012.

O contabilista e especialista em direito tributário, Silvinei Cordeiro Toffanin, ressalta que as expectativas para os últimos dois anos, impulsionadas pelo forte crescimento econômico entre 2004 e 2010, acabaram não se confirmando.

Um dos fatores dessa ruptura foi o alto grau de endividamento das famílias, que cortou parte do consumo. Outra questão que incidiu nos resultados foi a crise internacional.

Segundo o contabilista, a política de cortes de impostos e redução na taxa básica de juros (Selic) não foi suficiente para sustentar o crescimento econômico projetado para o período.

Em entrevista ao JS, Toffanin aponta os setores que mais cresceram e os que registraram menos crescimento no ano passado e faz uma previsão não muito otimista para 2013: crescimento econômico moderado.

O contabilista também analisou questões como a crise econômica na Europa e sua influência no Brasil, o boom no mercado da construção civil e a influência dos programas de transferência de renda no crescimento do país.

Jornal Santuário de Aparecida – As projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para 2012 eram entre 3,5% e 4%, mas a estimativa foi de 1,3% e dados oficiais apontam crescimento inferior a 1%. A que o senhor atribui esse baixo desempenho?

Silvinei Cordeiro Toffanin – As expectativas de crescimento para a economia geradas no recente período de forte crescimento, que vai de 2004 a 2010, não se confirmaram.

As famílias viram-se endividadas e cortaram parte do consumo. Dessa forma, o comércio se viu estocado e diminuiu as encomendas para a indústria. Aliado a esse cenário de retração do consumo interno, houve a piora da crise internacional.

A política  adotada pelo governo, de cortes pontuais de impostos e redução da taxa de juros básica, não foi suficiente para sustentar o crescimento esperado para a economia do país.

JS – Quais foram os setores que mais cresceram em 2012?

Silvinei – O agronegócio e o setor de serviços.

JS – E os que registraram menor crescimento?

Silvinei – A indústria, que registrou crescimento negativo.

JS – Os programas de transferência de renda também fazem parte das estatísticas de crescimento?

Silvinei – Fazem parte, mas devido ao alto grau de endividamento das famílias, o impacto deve ser menor.

JS – O que podemos esperar para o ano de 2013, em termos de crescimento econômico?

Silvinei – Uma taxa moderada de crescimento econômico. O mercado que se manifesta através do boletim Focus, que é o relatório de mercado do Banco Central do Brasil, já vem ajustando essa taxa: iniciou o ano com uma expectativa de 3,5% e já está corrigindo essa taxa para 3,1%.

JS – Apesar do baixo crescimento, os índices do Brasil são considerados superiores aos países europeus. Que fatores explicam essa vantagem?

Silvinei – Os cenários são bastante diferentes. A zona do Euro ainda não tinha se recuperado da crise de 2009 e sofreu novo impacto em 2011. O caminho encontrado pelos governos dos países mais afetados para superar a crise é o de forte contração nos gastos, com uma rígida política fiscal.

Essa atitude está, na verdade, provocando uma terceira onda de contração da economia já mostrando sinais comuns a essa situação: forte contração no nível de investimento, diminuição nos postos de trabalho, perda de renda das famílias etc.

JS – Hoje o Brasil enfrenta um boom na área da construção civil, com o lançamento de inúmeros empreendimentos imobiliários, que acabaram inflacionando o mercado. Não corremos o risco de uma quebradeira nesse sistema imobiliário, como aconteceu há alguns anos nos Estados Unidos?

Silvinei – Qualquer segmento da economia está sujeito a diferentes comportamentos ao longo do tempo. Existe uma diferença básica entre o sistema brasileiro e o americano. Lá se permitia uma nova hipoteca sobre o mesmo imóvel, sem que a primeira estivesse liquidada.

Esse movimento fez com que muitas financeiras viessem a operar fortemente no mercado de subprime, gerando um crédito de baixa qualidade e alto risco. A queda dos preços dos imóveis e a alta dos juros provocaram o aumento da inadimplência e como esses títulos vinham sendo fortemente negociados no mercado dos EUA e Europa, o “calote” provocou a forte crise financeira de 2008.

http://jornalsantuario.wordpress.com/tag/silvinei-cordeiro-toffanin/

 

 

Compartilhe nas redes:

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Artigo - Direto Group - Contabilidade em São Paulo - SP

Deixe um comentário

Veja também

Posts Relacionados

Planejamento tributário para Family Office: Faça corretamente!

Planejamento tributário para Family Office, você sabe como fazer corretamente?  Então, fique tranquilo! Elaboramos este artigo para que você tire suas dúvidas de como funciona este tipo de planejamento tributário e tudo o que envolve sua estrutura!  O planejamento tributário é uma atividade que tem por objetivo diminuir a carga

BPO Financeiro para Family Office: principais vantagens

BPO Financeiro para Family Office: o que é e principais vantagens Confira as principais vantagens do BPO Financeiro para Family Office. O BPO Financeiro é uma solução que permite terceirizar as atividades financeiras de uma empresa.  Essa prática pode trazer diversos benefícios para os Family Offices, sendo empresas que gerenciam

Entenda o papel dos Multi Family Offices para famílias abastadas

Multi family office: Compreenda o que é e o que faz! Saiba como os Multi Family Offices oferecem expertise profissional, personalização e eficiência de custos para atender às necessidades da gestão financeira. As famílias abastadas, muitas vezes, enfrentam desafios únicos quando se trata de gerenciar suas finanças, investimentos e patrimônio. 

Proteção patrimonial para family office: como funciona?

Proteção patrimonial para family office: como funciona? Fique por dentro do conceito, como funciona e quais os principais benefícios da proteção patrimonial para o family office. Saiba como realizá-la! A proteção patrimonial é uma estratégia que visa preservar e aumentar o valor do patrimônio de uma pessoa ou de uma

Family Office: uma opção viável para todas as famílias.

Family Office: entenda como esse serviço pode ajudar sua família O Family Office é uma estrutura de gestão de patrimônio que foi tradicionalmente associada a famílias extremamente ricas.  Descubra como o conceito evoluiu e agora está se tornando cada vez mais acessível e benéfico para famílias de diferentes níveis de